Chimarrão com Sangue



"Dois corpos são encontrados às margens do Guaíba, um dos cartões postais da cidade!”, anuncia a âncora do jornal, fazendo com que milhares de telespectadores interrompam abruptamente seus almoços para que aumentem o volume do televisor. Quem? Como? Por quê?, ou seja o básico de uma informação jornalística é ignorado. Nada é respondido de forma clara, as perguntas cruciais são jogadas para debaixo do tapete; a única razão da notícia vem à tona , sendo amplamente debatida : O local do crime “um dos cartões postais da cidade”.

A prefeitura de Porto Alegre gastou milhões, apesar de se dizer endividada e falida ,conseguiu fazer um milagre em prol da população. A politica do pão e circo( wifi, parklets ,talvez um monumento em formato de cuia , uma roda gigante de 80 metros) sempre funcionou , porém o bendito pão é dividido entre o Grupo dos que já possuem muitos pães.

O tipo de “jornalismo” todos conhecem, ocorre em todas as cidades do Brasil. Uma fórmula analgésica , sem contra indicações e com efeitos colaterais quase sempre irreversíveis. Previsão do tempo, informações do trânsito, futebol , entrevistas a populares que transitam pelo centro e , vez que outra, algum serviço de utilidade pública para fazer um mea culpa. É preciso acalmar os ânimos, manter a população dócil ao menos na hora do almoço. Em nossa capitania hereditária , pampa pobre , há um grupo que consegue de forma rudimentar e inexplicável hipnotizar a todos, provavelmente em nome da maldita tradição, afinal de contas alí o Rio Grande se vê. Jornais , rádios , emissoras de televisão , festivais de música para adolescentes ricos entre outras benesses. O grupo, ainda em 2020, alicerçado por diversas instituições molda a mente da maioria dos gaúchos e dos politizados porto-alegrenses.



Ficou fácil para Júnior montar seu teatro , como uma criança que brinca de montar lego e esquece da hora do almoço, enfeitou toda a orla do guaíba, por alguns anos o brinquedo foi só dele. A revitalização da orla foi iniciada na gestão passada, mas era preciso incrementar a brincadeira e Júnior passou um bom tempo brincando de pequeno construtor e a cidade foi ficando em segundo plano. O Grupo apoiou , bateu palmas . A orla moderna JÁ emoldurava o Rio Bem Sujo.

Esquecendo-se do resto da cidade , o jovem prefeito tratou de investir, porém investiu mesmo foi em publicidade , em dezembro de 2019 as inserções comercias em horário nobre repetiam mais que aquelas ligações estranhas que recebemos com o DDD de outro estado. Parece que isso é ilegal, porém o Grupo desconversa, Porto Alegre agora é a cidade dos sonhos. O Grupo adorou e passou a mão na cabeça do jovem Júnior. “A cidade já não anda tão esburacada como antes” relata o repórter ao entrevistar um trabalhador que tapava uma cratera na Avenida Farrapos. “Porto Alegre voltará a ter um centro histórico charmoso, serão trocadas as calçadas e o sistema de iluminação” ,diz o jornalista da bancada do programa de televisão, em um tom acima do normal, eufórico , a fim de alertar a dona de casa que já bocejava diante da tela . A cidade virtual ficará pronta antes do período eleitoral.

A menina dos olhos de Júnior ganha uma matéria de incríveis dez minutos , a revitalização da orla do Guaíba será ampliada até o mar do Caribe pelo visto. Na segunda parte da matéria o jornal apresenta animações gráficas, em suas simulações computadorizadas aparecem bares, hotéis , pessoas passeando com seus cachorros, há mais pessoas na animação do que na própria cidade . Porto Alegre ficará infestada de turistas para apreciar o pôr do sol nas águas poluídas do Guaíba? Londres, Nova York, Paris, Porto Seguro morrerão de inveja. Milhares de pessoas trocarão seus destinos para vir a Porto Alegre andar na roda gigante e caminhar sobre a Orla .



O dinheiro para todas essas obras megalomaníacas, assim como a verba gasta em publicidade ( parte suspeita de desvio dos recursos da saúde ...OPS! esta notícia o Grupo não deu tanta ênfase), foi retirada de retroescavadeira dos impostos que seriam repassados para a educação, saúde, assistência social, melhorias na segurança, saneamento básico, transporte público, etc. Nada disso é mais importante do que aquilo que pode ser visto; o sangue, os mortos , a água suja, a multiplicação das pessoas em situação de rua tornam- se invisíveis diante da imponência de uma obra magnífica. As dores espremidas da cidade desembocam na orla.

Colocaram uma poltrona confortável soterrando desgraças, Júnior e seu Grupo arrancaram as pernas da cidade e , em contrapartida ofereceram muletas de ouro. Ouro para o Grupo que o carregou nos ombros pisando no cidadão que almoçava distraído entre a previsão do tempo e o futebol. Trabalharam forte para transformar uma figura sem carisma- frágil e com características que beiram a sociopatia- conseguir ,aos poucos, ganhar carapaças de modernidade millennial e maturidade pasteurizada. O prefeito dança nas praças ao som de despacito para um público esvaziado, produz um filme sobre esse fracasso , usa aplicativos para fazer de conta que resolve os problemas da cidade ( consultas médicas por aplicativo , enquanto a maioria dos usuários do sistema de saúde nem dinheiro para internet possui ) , casa-se com uma ex Pampa Cat ( versão Panicat de uma tv local ) . Assim, forja a figura do playboy que a população tanto venera: fenótipo germânico, esposa loira quase sempre vestindo rosa, filhos de olhos claros sorridentes. Todos os problemas de gestão contidos por sorrisos.

No fundo sabemos que o Guaíba não é rio, o jornal não é jornalístico e que Júnior não é um gestor .Vivemos de enganos , assim como o repórter dizendo que as obras devolvem a autoestima e o charme da cidade , porém não há nenhum tipo de auto estima ou charme na fome e na desigualdade. A miserável periferia novamente enganada, a classe média esperando mais um fim de semana para “sextar” e a elite indiferente a essas pequenas mazelas burguesas. As pessoas esquecem das desgraças provincianas comtemplando ao hemorrágico pôr do sol de domingo, enquanto bebem seu mate amargo com gosto de água mal tratada ( que nem o tal do carvão ativado tira o gosto),e sangue.


O Selo Junte e surte é uma iniciativa do grupo fictício Literasurta. Leia, surte e quem sabe um dia , após juntar 60 selos, receba nossos brindes deprês. Kits de sobremesa, canecas, ventiladores ou alicates; não se sabe o que poderá ser. Então, meu jovem, não perca mais tempo!


* Um jornal popular custa em média dois reais, só serve para ampliar o desmatamento e absorver urina de cães. Doe alguns centavos, talvez até reais e ajude a manter nosso surte e ganhe.

20 visualizações0 comentário

BERTOLDO CULTURAL PROMOÇÃO DE EVENTOS LTDA.

CNPJ: 36.420.889/0001-03

Av. Farrapos, 331 - Porto Alegre, RS | 90220-004

E-mail: contato@bertoldocultural.com.br

Fone / Whatsapp: (51) 99341.1945

© 2021 por Bertoldo Cultural

  • YouTube - Bertoldo Cultural
  • Facebook - Bertoldo Cultural
  • Instagram - Bertoldo Cultural
  • LinkedIn - Bertoldo Cultural