HORMÔNIOS, NEURÔNIOS, VÍRUS E VERMES


A dopamina inunda minha mente fria e árida com um mar de água quente. Importante e potável, hidrata de ideias e tempera tudo que é cinza, minha massa cinzenta se anima. Fervo de alegria, danço frevo na ferida - aberta e sem Merthiolate - da inércia coletiva. Antes era minha tal letargia, porém, falo sem rancor dessa fase de minha vida. Minha dívida hoje em dia é dividida parte a parte entre manter a calma e provocar o caos. Só não levante a voz ainda, espere um pouco mais, posso explicar devagar e com calma; deite no divã, duzentos reais a hora. Resumindo, o caos que me refiro é o que ajuda o trem do pensamento a entrar no trilho da ação. Levante, prezado cidadão, prensado entre a cidade e a sociedade, espremido feito um bagaço de limão. Amargo é viver dopado de razão artificial. Pague suas contas antes que vençam, informe-se com o telejornal. Mas como eu dizia, era minha tal letargia dia e noite, noite e dia. Não adiantava a terapia. Agora tento agitar a massa dura e submersa na desgraça. Massageio com socos e dou chutes com o desfibrilador, mas nada altera a massa dura e conformada. Subalterna aos caprichos da cidade lenta e arcaica que não me entende e me rechaça. Dizem que sou só mais um bêbado e drogado e a culpa de meu comportamento é da droga e da cachaça. Enganam-se. É a mais pura dopamina tão potente quanto a metanfetamina do professor White. A fabricação é natural, só uso ar, água, raiva e sol. Não questione a raiva que é importante elemento para dar força ao movimento; anti nutriente da razão, porém, destilada vira revolta, viva então a revolução. O fermento que faltava não estava na padaria não, é uma glândula que quando estimulada gera uma grande explosão. Ela mina com energia os meus campos cerebrais, outrora mimados demais de apatia atroz, agora desata meus nós e lança âncoras com o peso de minha consciência. Transforma tudo em uma festa rave neural sem DJ, camarote, luz forte e lista VIP. Meus neurônios se abraçam, balançam seus enfeitados dendritos e chacoalham seus axônios; são impulsivos e nervosos e querem dançar até o DJ parar de tocar, mas música não há, é só o som das sinapses a ecoar. Admiro e deliro com essa festa infinita, dropando ondas de euforia em um swell de sapiência.


Metástase avançada, metáfora mal formulada, porém, meu caro amigo, o que pensas ser um simples hormônio é algo parecido com a junção de urânio com plutônio. Forte, bateu, mas tiveste sorte. As gêmeas siamesas que lutam dentro de tua cabeça te enganaram direitinho. Gemeram baixinho palavras espelho, vias a verdade dentro de ti, reflexo da falsa verdade de terceiros. Teu subconsciente é bastante inconsistente, inconsequentes as gêmeas brigam e quem apanha é você. Uma quer a calmaria, outra festa todo dia. Vai com as duas nesse rolê sadomasoquista! Vai camarada, mete a cara, mais saiba que é tudo uma ilusão. Lembra do espelho, é tudo mentira; uma te ajuda a outra te culpa. Metade vontade, metade ação. Pareces um ser mitológico, parte monge zen, parte guerrilheiro em revolução. Fica tranquilo, tem gente bem pior. Alguns com as meninas dos olhos míopes ou mortas e as gêmeas siamesas acéfalas, não distinguem espinhos de pétalas. Vivem só para saciar seus caprichos medonhos. Acreditam que consciência social é um tipo novo de Sonrisal, luta de classes é briga entre alunos de escola estadual e que dopamina é uma menina drogada.

 

Haja paciência para aturar gente tão estranha e besta como vocês. Pelo amor de Deus! Rapaz! Chato demais. O mundo não muda, não adianta só ser sagaz e falar coisas bonitas. Pensar em coisa complicada não leva a nada. Conseguir dinheiro e poder é a jogada. É preciso eliminar, tacar fogo, dar tiro. Tomar para si as coisas do vizinho. Acumular, espraiar, possuir e principalmente expurgar quem atrapalhar. Salário de fome para quem tem fome e nada mais. Fazer a roda girar, consumir e comprar, ganhar e gastar, comer e cagar, nascer e morrer como as pessoas na sala de jantar. E não adianta revolução, há milhares de cérebros sem conexão. Cortamos mês passado não foi por falta de pagamento, inativamos os cérebros dando streeming à vontade e um pouco de pasto pro gado.. A verdade sou eu que invento, fakenews é meu alimento. Se o mundo acabar daqui há cinquenta anos? Lamento. Foda-se, ele acaba mas meu patrimônio não. Pensar só em si não é egoísmo, é precaução. Depois vem a família, Deus e a nação e tudo que sobra é bobagem. Cultura, ciência, arte e educação é o meu culhão. Tudo coisa de viado, mimizento, artista e intelectuais que só sabem querer direitos iguais. O que importa é o estômago cheio, dinheiro na conta para os de bem e de Deus, mil cheques e depósitos. Sagrados suores seus serão aceitos, se monetizados e devidamente doados para mim e para os meus. Esse papinho de inércia coletiva, espelho na cabeça, sociedade e outras coisas que não entendo, larguem de mão enquanto é tempo. Todo mundo faz merda, disso daí eu entendo. Sentido para a vida, filosofia, diabo a quatro. Saiam dessa situação. O negócio certo é pescar e fazer churrasco, assistir o Ratinho, Datena e o pastor da televisão. Ver vídeos engraçados na internet e deixar o resto na mão de Deus. Os que morrerem é só enterrar e segue o baile. A garotada sem escola a vida ensina. Dopamina, endorfina, serotonina não funcionam, o bom mesmo é a bolsa de colostomia, laranja , milícia e Cloroquina.


Desculpa tio, sua máscara caiu, tá escorrendo chorume do teu couro capilar. Nós vamos vazar, nos armar, mas não com as armas que você pensa. A paciência acabou, vamos armar uma arapuca, pedir ajuda para o disco voador abduzir o senhor. Se não der certo vamos para a deepweb, fazer uma vaquinha online e comprar um cérebro em conserva que não seja conservador. Instalaremos um chip rastreador em todo seu seguidor. Tentaremos vacinar com consciência e compaixão, pois somos todos iguais, mas alguns estão distantes demais. Acreditaram na mudança fake, mas perceberam que a vida não é filme. É firme e forte. O vírus e o verme logo entrarão em extinção. Jamais serão!

O Selo Junte e surte é uma iniciativa do grupo fictício Literasurta. Leia, surte e quem sabe um dia , após juntar 60 selos, receba nossos brindes deprês. Kits de sobremesa, canecas, ventiladores ou alicates; não se sabe o que poderá ser. Então,meu jovem, não perca mais tempo!

* Um jornal popular custa em média dois reais, só serve para ampliar o desmatamento e absorver urina de cães. Doe alguns centavos, talvez até reais e ajude a manter nosso surte e ganhe.

28 visualizações0 comentário

BERTOLDO CULTURAL PROMOÇÃO DE EVENTOS LTDA.

CNPJ: 36.420.889/0001-03

Av. Farrapos, 331 - Porto Alegre, RS | 90220-004

E-mail: contato@bertoldocultural.com.br

Fone / Whatsapp: (51) 99341.1945

© 2021 por Bertoldo Cultural

  • YouTube - Bertoldo Cultural
  • Facebook - Bertoldo Cultural
  • Instagram - Bertoldo Cultural
  • LinkedIn - Bertoldo Cultural